08 janeiro 2020


Veja a seguir a nossa coletânea de revistas para o mês de dezembro 2019.  

Click sobre as imagens para ter acesso as versões "on line"  das principais  publicações técnicas disponíveis na web.


Evaluation Engineering - Janeiro 2020.

Eletricidade Moderna - Dezembro 2019.

New Electronics - Dezembro 2019.

Leds Magazine - Dezembro 2019.

Control Engineering - Dezembro 2019.

FotoVolt - Dezembro 2019.

Máquinas e Metais - Abril 2019.


Automation World - Novembro 2019.


Manufactoring Automation - Dezembro 2019.


Industrial Automation - Janeiro 2020.
. . . 

A R3 Técnica é uma empresa Brasileira, especializada no retrofit de equipamentos e sistemas de automação industrial / naval.

. . . 

Para mais informações, consulte-nos...


R3 Técnica Ltda.
www.r3brasil.com.br


   





* * * 



04 agosto 2019

Caso de sucesso 4 - Sistema Supervisório.


Em abril de 2015, fomos convocados para o restabelecimento de um sistema supervisão e alarmes de máquinas a bordo do navio mercante Babitonga Bay (IMO: 9164809)... 

NM Babitonga Bay - Construído em 1999.
Um sistema de supervisão e alarmes tem o papel de adquirir e processar os dados dos diversos sensores instalados nas principais máquinas - motores, geradores, bombas, tanques, válvulas, etc - e, de acordo com a sua programação, o sistema alerta aos operadores quando algum dos pontos monitorados alcançou um estado não desejável, permitindo aos operadores uma imediata reação e intervenção para a correção do problema apresentado.

Além de inoperante, o sistema supervisório original existente a bordo do NM Babitonga Bay - Norcontrol DataChief 100 - encontrava-se descontinuado (obsoleto) e com isso naturalmente existia uma grande dificuldade e altíssimo custo para se conseguir componentes de reposição aqui no Brasil...

Componentes do sistema supervisório original.
Devido à necessidade da operação comercial da embarcação e aos sérios riscos causados pela inexistência da indicação e alarmes das variáveis físicas de temperatura, pressão, níveis, rotação, posição, frequência, tensão, horas de funcionamento, etc, a R3 Técnica iniciou estudos para a substituição parcial do sistema supervisório existente.

Como pre-requisito, teríamos que propor a instalação de um novo sistema que pudesse atender integralmente todas as funções do equipamento original além de possuir características de robustez, confiabilidade e principalmente uma excelente relação custo x benefício para o Armador.

O prazo para a viabilização e conclusão do projeto também era um fator determinante pois a embarcação continuava navegando "as cegas" sem nenhum alarme de segurança além da atenção redobrada dos próprios tripulantes.

Após um estudo intensivo onde procuramos "entender" e aproveitar ao máximo os recursos disponíveis, propomos um projeto  com a reutilização de todos os sensores e respectivo cabeamento já existentes...

O sistema foi concebido para atender 250 pontos de entrada de sensores digitais (pressostatos, termostatos, boias de nível, microswitches, contatos, etc...) e 120 pontos analógicos (transmissores de temperatura / pressão, termorresistências, termopares, transdutores de nível, etc...).


Assim como o sistema original, o novo sistema continuou utilizando as mesmas designações para as cinco estações remotas e mesmos tags para os diversos pontos sensores...
  •     SAU: Signal Aquisition Unit.
  •     SAX: Signal Aquisition Extension.
Cada uma das cinco estações SAU/SAX existentes foram reprojetadas e passaram a ser compostas por CLPs + Módulos de Extensão produzidos pela coreana LS Industrial Sytems (LG).




 AM8DI: Módulo de entrada para sensores digitais;
 AM8RO: Módulo de saída digital;
 AM8C: Módulo de entrada de corrente 0-4... 20mA;
 AM6OC: Módulo de saída de corrente 0-4... 20mA;
 AM8T: Módulo de entrada para sensores de temperatura tipo termopar (J, K ou T);
 AM8P: Módulo de entrada para sensores de temperatura tipo PT-100;
 AM8V: Módulo de entrada 0 - 10 Vdc;
 AM6OV: Módulo de saída 0 - 10 Vdc.
. . . 

Para a exibição das informações aos usuários, utilizamos duas interfaces Weintek modelo mTV-100.


Atendendo às regras de segurança, o sistema contemplou a instalação de duas redes de comunicação (Modbus RS-485) redundantes e independentes para a monitoração dos alarmes. No caso de uma eventual falha em uma das redes de comunicação, o sistema supervisório permanecerá em plena operação através da rede redundante.

Após o desenvolvimento do projeto e respectivas telas de supervisão, o novo sistema de supervisório tomou o seguinte aspecto...

0. Tela principal...





1. Motor Principal.
2. Sistema de injeção de combustível do MCP.
3. Sistema de lubrificação do MCP.
4. Bombas de óleo combustível do MCP.


5a. Sistema de resfriamento dos pistões do MCP (lista).

5b. Sistema de resfriamento dos pistões do MCP (gráfico).

6a. Sistema de resfriamento dos cilindros do MCP (lista).

6b. Sistema de resfriamento dos cilindros do MCP (gráfico).

7. Bombas de água doce / salgada do MCP.

8a. Sistema de ar de lavagem do MCP e ar comprimido (lista).

8b. Sistema de ar de lavagem do MCP e ar comprimido (gráfico).

9. Sistemas de ar do MCP.

10a. Temperatura dos Gases de descarga do MCP (gráfico).

10b. Temperatura dos gases de descarga do MCP (diferencial).

11. Caldeira Auxiliar.

12. Máquina do Leme.
13. Máquinas Auxiliares A.
14. Máquinas Auxiliares B.
15. Diversos.

16. Eletricidade / Geradores A.
17. Eletricidade / Geradores B.
18. Gerador No.1 A.
19. Gerador No.1 B.

20. Gerador No.2 A.
21. Gerador No.2 B.
22. Gerador No.3 A.
23. Gerador No.3 B.

24. Purificadores.
25. Purificadores Funcionamento.
26. Tanques de Armazenamento A.
27. Tanques de Armazenamento B.

28 a, b, c e d. Horímetros.

A apresentação das horas de funcionamento de cada equipamento monitorado 
é mostrado em horas, minutos e segundos...

. . .

O sistema supervisório desenvolvido inclui as indicações e as proteções do motor de propulsão principal - Slow-down / Shut-down. 

29. Proteções do MCP.

No total o sistema desenvolvido pela R3 Técnica Ltda. possui 70 telas funcionais...

A fim de facilitar a compreensão pelo Usuário, o sistema adotou a apresentação do status de cada ponto monitorado através da diferenciação do texto apresentado por cores...


Desde o início do projeto até a sua efetiva entrega ao Armador, o tempo decorrido foi de apenas 45 dias...

Todas as funcionalidades de monitoração e alarme originalmente existentes foram integralmente cumpridas.

. . . 



. . . 

A R3 Técnica é uma empresa Brasileira, especializada no retrofit de equipamentos e sistemas de automação industrial / naval.

. . . 

Para mais informações, consulte-nos...


R3 Técnica Ltda.
www.r3brasil.com.br


   







* * * 


08 março 2019

Sensor hidrostático FPC / Water Ingress Alarm System.



Em 2005, em nossa área profissional, percebendo a necessidade das diversas empresas de navegação nacionais operando no transporte de sólidos granulados - minérios, grãos, sal, etc..., desenvolveu um sensor específico para o atendimento das diretrizes das regras recém adotadas pela IMO.


Contratualmente, toda carga transportada por navios mercantes, deverá ser protegida contra água de chuva, ondas fortes, e água do mar entrando por algum eventual furo ou ruptura do casco da embarcação.
A qualidade da estanqueidade dos porões de carga deverá ser monitorada por sensores de nível integrados a um sistema de alarme (Water Ingress Alarm System  SOLAS XII, IMO Regulation 12, IACS UR S24, 46/18/1 and IMO DE46/18/2 performance standard for water level detectors & IACS UI SC180).
O problema é que devido à compactação da carga no fundo do porão, os sensores tipo boia magnética (reed switch) não funcionam. Os sensores de humidade do tipo condutivo não são eficientes para esta aplicação e devido a necessidades de realizar ajustes individuais para cada tipo de carga transportada, os sensores capacitivos também não servem bem.
Estudando o problema, após diversas considerações técnicas e testes, conseguimos desenvolver um sensor de nível on/off que é capaz de “sentir” a presença de água através da pressão hidrostática exercida pelo liquido independentemente da quantidade de carga granular armazenada no porão.
Detalhe:
Arranjo de instalação:
Na prática são instalados dois sensores em cada porão de carga. Um sensor de pré-alarme que fica a 0,5 metros do fundo. O outro sensor de alarme está a 2,0 metros.
Estes sensores operam como um pressostato ultrassensível, interligado ao processo por uma sonda de nível - um tubo flexível ¼” em Nylon com até 100 metros de comprimento. A sonda de nível é instalada verticalmente no porão de carga.
Um outro tubo de PVC 1, ½” cumpre as funções de fixação e proteção das sondas de nível.
Para facilitar a instalação, o tubo de proteção fica posicionado atrás da escada de acesso ao porão de carga - A escada também serve de proteção para o tubo de PVC.

Vantagens do sensor hidrostático modelo FPC:
§ Não utiliza partes mecânicas móveis;
§ São instalados no convés da embarcação, permitindo o livre acesso para manutenção independentemente da condição de carregamento do porão;
§ Os sensores hidrostáticos podem ser instalados numa distância de até 100 metros do ponto de medição;
§ O arranjo de instalação permite o teste real de funcionamento dos sensores independentemente da carga existente no porão do navio;
§ Pode ser também usado em silos ou em qualquer outro reservatório de contenção.
§ Fabricado no Brasil com tecnologia 100% nacional.
. . . 



Sistema WIAS confeccionado e instalado pela R3 Técnica
a bordo do NM Frotargentina (IMO: 7433658).


Sistema WIAS confeccionado e instalado pela R3 Técnica
a bordo do NM Frotargentina (IMO: 7433658).
* * * 

Veja também...

* * * 
A R3 Técnica é uma empresa brasileira especializada em soluções
para as áreas industrial / naval e de offshore.


* * *